Usuário Final

ZERO-CLIENTS

Nos últimos anos o mercado vem gradativamente orientando-se para ambiente mais “leves” de computação na ponta. A primeira leva desta iniciativa foram os softwares de emulação de terminal. A segunda foram os thin clients, que aproveitando os softwares da primeira leva trataram de “emagrecer” os PCs nas mesas dos usuários, diminuindo seu tamanho e incluindo apenas algumas operacionalidades básicas.

O “problema” com os thin clients é que mesmo sendo PCs “enxutos”, ainda requerem manutenção na ponta, quer seja de hardware, quer seja de firmware/sistema operacional.

A próxima geração é a chamada “zero client“, pequenos equipamentos que não possuem nenhuma inteligência na ponta, operando 100% a partir do centro da rede. Trazemos duas soluções ideais para ambientes onde a centralização busca segurança, custo zero de manutenção  e computação “verde”.


A Panologic criou um sistema que praticamente transforma o barramento da rede LAN no barramento de hardware do PC.  Ao invés de utilizar APIs que rodam nos dispositivos remotos, e que permitem o desenho e montagem das telas no vídeo (como protocolos tipo RDP ou ICA), o que trafega entre o ponto remoto e o servidor central são instruções de hardware puro, encapsulado em IP (mais especificamente, UDP), conhecido como protocolo “Pano Direct”, o que  torna o  resultado na ponta extremamente  rápido. De fato, não há diferença  alguma perceptível entre estar-se sentado em frente ao micro ou em um dispositivo Pano, mesmo para se assistir a um filme ou trabalhar com multimídia.

O centro do sistema da Pano é o Pano Device, uma  nova classe de hardware de desktop.  Os Pano Devices são conhecidos como  “clientes  zero” porque, ao invés dos tradicionais  thin clients,  eles não possuem CPU, memória, sistema operacional, drivers, software de qualquer natureza ou partes móveis!

Eles simplesmente servem para conectar os dispositivos de entrada e saída periféricos – teclado, mouse, vídeo VGA, áudio… – bem como outros periféricos USB – a um desktop virtualizado Microsoft Windows rodando em um servidor no datacenter.

Os Pano Devices não apenas ajudam nos cortes de custos de hardware e suporte de TI – eles também conservam energia, usando  o equivalente a  3% da energia normalmente consumida por um PC certificado EnergyStar. Pense no impacto disto na conta de energia ao final do mês, não só direta, mas também na redução da conta de climatização (não geram calor, logo o ar condicionado para ambientes com muitos micros passará a ser “overkill” de uma hora para outra!).

Além de utilizarem o protocolo Pano Direct (encapsulando instruções de hardware em UDP), os Pano Devices utilizam os servidores existentes de DHCP e Active Directory, tornando simples e fácil integrar todo o sistema na infraestrutura de segurança e LAN.

Os dispositivos Pano  também são “stateless” – em outras palavras, eles não guardam nenhum tipo de informação a respeito do usuário, a máquina virtual, ou qualquer dado utilizado por ambos.  Isto fornece uma maior segurança de dados  e uma maior produtividade, uma vez que caso forem furtados ou estragados, basta colocar outro Pano no lugar e ligar. Nenhum dado é perdido e nenhuma reconfiguração é necessária.

Além disto, economizam o tempo de boot (não há espera entre ligar o equipamento e começar a operar a máquina virtual quando esta já está instanciada no datacenter), e é possivel retornar o trabalho imediatamente do ponto onde se estava, com os mesmos aplicativos e arquivos, por exemplo, quando se deslocando entre a sala de reuniões e o escritório pessoal, até mesmo em casa.

Utilizando o mesmo conceito de “zero client”, a Wyse desenvolveu um dispositivo para operar baseado no protocolo ICA (Citrix).

Enquanto os dispositivos da Pano encapsulam as instruções de hardware de vídeo, áudio, teclado e mouse/USB em UDP (e portanto operam extremamente rápidos na ponta), os dispositivos Wyse usam as instruções de um pequeno firmware que é baixado para o cliente zero na ponta no momento do boot.

Como este  firmware  é muito pequeno (poucos bytes), o boot de um sistema Wyse  é praticamente instantâneo, e embora ele utilize instruções de software para desenhar as janelas na tela – o que inclui um pequeno  atraso  – a sua vantagem está no fato de usar muito pouca banda, sendo, portanto, uma solução ideal para ambientes virtualizados a longas distâncias (ao contrário dos Panos, onde o ambiente ideal é na própria LAN ou localidades remotas com banda larga – em média 250K por cliente).

Porto Alegre
Rua Prof. Langendonck, 57/502 Petrópolis, Porto Alegre Rio Grande do Sul - 90630-060
Te.: 51 3321-1414